APRESENTAÇÃO

Minha foto
Campinas, S P, Brazil
Bacharel em Teologia pela FAETEPE.( PETROS ) Ensinador e Pregador da Palavra do Senhor

terça-feira, 27 de março de 2012

""" A GRANDE REFORMA """


A Manassés se credita o mais longo reinado da história de Judá (2 Rs 21.1-17; 2 Cr 33.1-20); incluindo a década da co-regência com Ezequias, foi rei por um dilatado período de cinqüenta e cinco anos (696-642 a.C.). mas o governo foi a antítese do de seu pai. Desde o pináculo do fervor religioso, o Reino do Sul foi lançado a mais negra idolatria que se conheceu sob o mando de Manassés. Em caráter e na prática, se parecia com seu avô, Acaz, ainda que este último tivesse morrido antes do nascimento de Manassés. Muito provavelmente, Manassés não começasse a revirar a política de seu pai até depois de sua morte.
Voltando a construir os "lugares altos", erigindo altares a Baal e construindo aserins, Manassés assumiu a imposição de uma tremenda idolatria, tal e como Acabe e Jezabel tinham praticado no Reino do Norte. Mediante ritos religiosos e cerimônias, se instituiu o culto às estrelas e aos planetas. Inclusive a deidade amonita Moloque foi reconhecida pelo rei hebraico, no sacrifício de crianças no vale de Hinom, nos arredores de Jerusalém. Os sacrifícios humanos eram um dos mais abomináveis rituais da prática do paganismo cananeu, e foi associado pelo salmista com o culto ao demônio (Salmo 106.36-37). A astrologia, a adivinhação e o ocultismo foram oficialmente sancionados como práticas comuns. Em aberto desafio ao verdadeiro Deus, os altares para o culto das hostes celestiais foram colocados nos átrios do templo, com imagens entalhadas de Asera, a esposa de Baal, e também introduzidas no templo. Além disso, Manassés derramou muito sangue inocente. Parece razoável inferir que muitas das vozes de protesto diante de semelhante monstruosa idolatria fossem afogadas em sangue (2 Rs 21.16). Já que a última menção do grande profeta Isaias está associada com Ezequias no relato bíblico, é correto supor que seja verdade o martírio de Isaias pelo malvado rei Manassés. A moral e as condições religiosas em Judá foram piores que as daquelas nações que tinham sido exterminadas ou expulsadas de Canaã. Manassés, deste modo, representa o ponto mais baixo da perversidade na longa lista dos reis da dinastia de Davi. Os juízos preditos por Isaias eram coisa segura para chegar.
Os relatos históricos não indicam a extensão do que Manassés pôde ter sido influenciado pela Assíria em sua conduta e política idólatra. Assíria alcançou o pináculo da riqueza e prestígio sob Esar-Hadom e Assurbanipal. Sem discussão, Manassés obteve o favor político da Assíria mediante a vassalagem, enquanto Esar-Hadom (681-669 a.C.) estendeu seu controle até o Egito. Em contraste com Senaqueribe, Esar-Hadom adotou uma política conciliatória e reconstruiu Babilônia. No 678 subjugou Tiro, embora o populacho escapou às fortalezas próximas das ilhas. Mênfis foi ocupada no 673 e poucos anos mais tarde Tiraca, o último rei da XXV Dinastia, foi capturado. Em sua lista de vinte e dois reis desde a nação hetéia, Esar-Hadom menciona a Manassés, rei de Judá, entre aqueles que fizeram uma obrigada visita a Nínive no 678 a.C. embora a Babilônia tinha sido reconstruída por aquela época, nem resulta para nada seguro que fosse tomada por Esar-Hadom [1]. Com a destruição de Tebas no 663 a.C., Assurbanipal estendeu o poder assírio a 805 km ao longo do Nilo, até o Alto Egito. Uma sangrenta guerra civil estremeceu todo o império assírio (652) na rebelião de Samasumukim. Com o tempo, a insurreição chegou a seu clímax com a conquista da Babilônia no 648, e outras rebeliões tinham explodido na Síria e na Palestina. Judá pôde ter participado, unindo-se a Edom e Moabe, que estão mencionadas nas inscrições assírias [2]. A autonomia de Moabe terminou naquele tempo e o rei de Judá, Manassés, foi feito prisioneiro e levado para a Babilônia, e depois libertado (2 Cr 33.10-13).
Apesar de não termos uma definitiva informação cronológica para datar o tempo exato do cativeiro de Manassés e sua libertação, o relato bíblico está a favor da última década de seu reinado. Se tiver sido capturado no 648 e inclusive devolvido a Jerusalém como rei vassalo no mesmo ano, teve relativamente pouco tempo para desfazer as práticas religiosas que tinha sustentado e favorecido durante tantos anos. contudo, se arrependeu no cativeiro e então reconheceu a Deus. numa reforma que começou em Jerusalém, deu exemplo do temor de Deus e ordenou ao povo de Judá servir ao Senhor Deus de Israel. Resulta duvidoso que esta reforma fosse efetiva, dado que aqueles que tinham servido sob Ezequias e rendido o verdadeiro culto, tinham sido anteriormente expulsados ou executados.


11 comentários:

  1. """ A GRANDE REFORMA """
    Em Israel houve um rei chamado Manassés. Ele foi um dois piores reis de Israel, e olhe que a lista de péssimos reis em Israel era bem grande. Manassés superou todos, podemos dizer que é o cara mais ‘mau’ da Bíblia sem exagero (Sabendo, é claro, que todos os pecadores são maus). Como rei ele teve um governo corrupto, um governo pautado na maldade, na completa exclusão de Deus – apesar disso – ele governou durante 55 anos. Nós que na maioria das vezes não suportamos governos que duram 4 ou 8 anos, podemos imaginar o que aquelas pessoas tiveram que suportar. Cinquenta e cinco anos é uma geração inteira.

    Ele incentivou a prática de cultos pagãos (parecido com o que temos visto no meio da igreja hoje) – Patrocinou o envolvimento da comunidade em orgias sexuais aos deuses da fertilidade, instituiu prostitutas sagradas em santuários espalhados por todo o país, importou magos de outras nações e escravizou o povo com toda sorte de superstições.

    O compromisso com a Verdade e Santidade nada tem haver com a época em que nascemos, por mais corrompida que ela seja – Foi nessa geração que nasceu Jeremias. Ele não teve uma vida de excelência por ter nascido numa geração que o favorecia para isso – Jeremias nasceu numa geração mergulhada na mais profunda trevas e no pior de todos os péssimos reis de Israel. Numa sociedade completamente pervertida foi onde o menino Jeremias cresceu e foi educado. Onde tudo era permitido, toda perversão sexual aceita, todo mal tolerado... orgias sexuais eram culto. Neste ambiente o menino Jeremias se tornou homem.

    Manassés morreu e seu filho Amom tomou seu lugar – não é sem significado que o filho de Manassés tem o nome de um deus pagão. A pequena parte do povo que esperava uma mudança logo se frustou – Amom repetiu tudo o que o seu pai fez e alguns servos do palácio o mataram – E seu filho – Josias – precocemente, com 8 anos teve que assumir o trono – e a medida que crescia se dá um dos melhores tempos da história de Israel – mesmo precoce – quando ainda era adolescente um grande Reforma foi vivida pela nação.
    Mas ele não tinha referenciais – seu pai e avô eram completamente profanos – Que padrão ele deveria seguir? Que herança ele tinha? Que modelos ele poderia seguir para a Reforma. É inexplicável humanamente o desejo por Reforma se instalar no pequeno coração de Josias tendo como avô Manassés e como pai Amom. Esse desejo é algo novo e sobrenatural que Deus introduz no coração.

    Soli Deo Gloria!!

    ResponderExcluir
  2. CONTINUÇAO,...Jeremias e Josias – Produtos de uma geração corrompida, profana, que corrompeu completamente o culto a Deus (como a nossa) – auto-indulgente, pérfida... Como nesses corações pode brotar uma paixão por uma Reforma? Como não ser um produto da sua geração? O processo de implantação de Deus de uma coração assim é algo que em sua plenitude é inacessível a nós – mas Deus pode fazer isso na geração de Manassés e Amom – Deus pode e faz isso hoje.

    É possível naquela geração, como Josias, crescendo naqueles palácios, cercado com toda a possibilidade e facilidade para o culto ao sexo e a qualquer prazer corrompido imaginado, Deus levantar um garoto com um Santo desejo por Reforma. Jeremias, criado no meio do povo comum – naquela mesma geração – também foi tocado pelo dedo de Deus e seu coração ardeu por Reforma que colocasse a glória de Deus no centro da vida da nação.

    Creia no poder da vida de Deus quando ele toca o coração humano e o invade o tornando novo. Isso me faz lembrar toda a devastação na natureza que o homem faz para o seu conforto – destruímos tudo – calçamos tudo, colocamos asfalto em tudo, criamos o que poderíamos chamar de selva de pedra... Parece que a feiúra nascida da ambição é invencível – como os dias espirituais de hoje no que ainda chamamos igreja. Mas então, quando parece que a vida não tem mais chance – que poder a vida tem – Se os homens abandonarem um lugar por mais cimentado, concretado, asfaltado que esteja – começa haver rachaduras, e dessas rachaduras começa a brotar vida. Mato, ervas, árvores... e sem a atuação danosa humana – logo aquele lugar volta ao viço verde de outrora. É o poder da vida sobre o horror da morte na criação de Deus.

    Mas estamos falando de algo infinitamente maior – o Poder da Vida de Deus quando invade e dá uma nova natureza – a geração que nascemos, a perversão do ambiente, a queda da igreja mais baixo quanto possível, a perversão do culto... não podem impedir que Josias e Jeremias sejam levantados com um desejo por Reforma, e mais do que isso, como instrumentos para ela.

    Depois de tanta vilania prosperando por décadas através de Manassés e Amom, parecia impossível que a vida de Deus se manifestasse tão poderosamente como foi demonstrada na Reforma que veio através de Josias e depois o ministério com um homem chamado Jeremias.

    Anime-se, um tempo de Reforma pode estar chegando. Deseje e se prontifique ser um Josias e um Jeremias nem tempo de desolação.

    Soli Deo Gloria!!

    ResponderExcluir
  3. ”Tinha Manassés doze anos quando começou a reinar, e reinou cinqüenta e cinco anos em Jerusalém”. (II Cr 33.1) E fez o que era mau aos olhos do Senhor, conforme as abominações dos povos que o Senhor lançara fora de diante dos filhos de Israel. Pois tornou a edificar os altos que Ezequias, seu pai tinha derribado; e levantou altares aos baalins, e fez aserotes, e adorou a todo o exército do céu, e o serviu. Também edificou altares na casa do Senhor, da qual o Senhor tinha dito: Em Jerusalém estará o meu nome eternamente. Edificou altares a todo o exército do céu, nos dois átrios da casa do Senhor. Além disso queimou seus filhos como sacrifício no vale do filho de Hinom; e usou de augúrios e de encantamentos, e dava-se a artes mágicas, e instituiu adivinhos e feiticeiros; sim, fez muito mal aos olhos do Senhor, para o provocar à ira. Também a imagem esculpida do ídolo que tinha feito, ele a colocou na casa de Deus, da qual Deus tinha dito a Davi e a Salomão, seu filho: ”Nesta casa, e em Jerusalém, que escolhi de todas as tribos de Israel, porei eu o meu nome para sempre; e nunca mais removerei o pé de Israel da terra que destinei a vossos pais; contanto que tenham cuidado de fazer tudo o que eu lhes ordenei, toda a lei, os estatutos e as ordenanças dados por intermédio de Moisés.Manassés tanto fez errar a Judá e aos moradores de Jerusalém, que eles fizeram o mal ainda mais do que as nações que o Senhor tinha destruído de diante dos filhos de Israel.” II Cr 33:1-9. Manasses tinha doze anos de idade quando começou a reinar em Jerusalém. Seu pai, Ezequias, foi um homem temente a Deus: ”Assim fez Ezequias em todo o Judá; e fez o que era bom, e reto, e fiel perante o Senhor seu Deus. E toda a obra que empreendeu no serviço da casa de Deus, e de acordo com a lei e os mandamentos, para buscar a seu Deus, ele a fez de todo o seu coração e foi bem sucedido.” II Cr 31.20-21. Contudo Manasses não seguiu o caminho de seu pai. Talvez Manasses fosse revoltado contra seu pai e contra todo o tipo de autoridade que dissesse respeito a Deus. Ele achava que as pessoas queriam dirigir sua vida, indicar-lhe o caminho a seguir: Como muitos jovens hoje, ele se irava quando os pais davam conselhos: ”Minha filha, não saia com uma roupa tão curta. Você não precisa disso. Sua beleza não está em seu corpo, em seu decote. Tudo isso passa. A verdadeira beleza está no coração entregue a Deus.” “Filho, não ande com esses rapazes, eles estão afastando você da igreja. Querem levá-lo para o mal, para longe dos caminhos do Senhor. Não dê legalidade ao diabo. Volte para a igreja. É Manassés não queria conselhos. Ele desejava liberdade, liberdade para fazer o que quisesse adorar os deuses da Babilônia, que ele julgava serem poderosos e que davam prosperidade e poder. Manasses não queria ouvir falar do Deus do seu pai. Então, agora que era rei, ele podia fazer o que seu coração desejava. Podia ir em busca da ilusão de ser poderoso e de seguir deuses fracos, que permitiam todo o tipo de promiscuidade, adultério, crueldade, injustiça e mal. Manasses não precisava mais ouvir conselhos de seu pai. E esse rei fez coisas abomináveis perante o Senhor: Ele tornou a edificar os altares que seu pai havia derrubado. Tudo que seu pai fizera, ele destruiu. Jogou por terra tudo o que aprendera de seu pai.

    ResponderExcluir
  4. Fez aquilo que seu pai lhe ensinara que era errado e abominação. A Bíblia diz que ele colocou imagens na casa do Senhor. Era como se chegássemos a igreja e encontrássemos imagens de são fulano, são beltrano, são sicrano, é santo pra todo gosto... Além das imagens, ele também edificou altares dentro Templo do Senhor. Ali ele se inclinava e oferecia sacrifícios aos deuses estranhos. Manasses chegou ao cúmulo de queimar seus próprios filhos como ofertas aos deuses. Ele era agoureiro, praticava feitiçaria, adivinhava pelas nuvens, tratava com necromantes e feiticeiros. E o objetivo de Manasses era um só: provocar o Senhor à ira. Mesmo nos dias de hoje, vejo muitas pessoas andando nos caminhos de Manasses. Procuram não profetas de Deus, mas aqueles que falam o que elas querem ouvir... Ele ensinou todas as práticas de ocultismo, idolatria, pecado. Ele liberou todas as atividades que o Senhor proibira. Então o Senhor começou a agir. “Falou o Senhor a Manassés e ao seu povo, porém não deram ouvidos.” “Assim o SENHOR trouxe sobre eles os capitães do exército do rei da Assíria, os quais prenderam a Manassés com ganchos e, amarrando-o com cadeias, o levaram para Babilônia. II Cr 33.10,11. HUMILHAÇÃO Diz a Palavra do Senhor que Manassés, começou a orar, e a se humilhar, na presença do Senhor, II Cr 33.12. E diz a Palavra de Deus, que o Senhor usou de misericórdia, com Manassés. Tudo o que Deus, pede hoje para o seu povo é humilhação....A Palavra de Deus nos orienta: “E se o meu povo, que se chama pelo meu nome, se humilhar, e orar, e buscar a minha face e se converter dos seus maus caminhos, então eu ouvirei dos céus, e perdoarei os seus pecados, e sararei a sua terra”. (ll Cr 7.14). Aí esta toda a receita de Deus, para uma vida, tranqüila, justa, reta, feliz, na presença do Criador. Ainda dá tempo, Satanás, tem afastado muitas pessoas hoje da presença de Deus, lançando incredulidade, no povo, frieza espiritual, temos visto, muito cristão abandonando, suas congregações, desanimado mesmo, com as lutas, provações, o Senhor diz na sua Palavra que: “Meus irmãos, tende grande gozo quando cairdes em várias tentações”; (Tg 1.2). Veja: O senhor nos orienta a ter alegria, isso é ter confiança em Deus, é saber que estamos amparados, fortalecidos, com o Senhor somos mais que vencedores, Jesus diz aos discípulos, no mundo vocês vão ter aflições, tenha bom ânimo! Muito cristão hoje, tem deixado de olhar para Jesus, quando deixamos de olhar para o Senhor, o perigo é muito grande, temos que resistir, perseverar, insistir, quando a luta, as provas estão vindo muito forte, é porque tem benção grande lá na frente, e o adversário, luta, para que as bênçãos, não chegue em nossas mãos, quantos cristão tem perdido a benção, por não perseverar, abandonar o seu primeiro amor, olhe para Manasses, tudo bem ele fez muitas coisas, que aborreceu a Deus, mais, se arrependeu, refletiu, recuou, viu que sem o Senhor é caminhar para a morte...Você que esta lendo este estudo e se encontra afastado dos caminhos do Senhor, e está sentindo que Deus, esta falando com você, procure uma igreja, mais próxima de sua casa, nunca é tarde para uma reconciliação!!! O Senhor diz : Eis que estou a porta e bato....(Ap 3.20a). Abra a porta do teu coração, Jesus esta batendo através desta palavra.....deixe Ele fazer morada..... Felicidade é somente com “JESUS CRISTO DE NAZARÉ”. Deus abençoe a todos...Pr. Silas Proença

    ResponderExcluir
  5. ""Um profrta em temos ruins""
    Durante o longo reinado do ímpio rei Manassés (698-643 a.C), quase todos os profetas de Judá foram aniquilados ou viveram na clandestinidade. É possível afirmar que Sofonias tenha sido o primeiro profeta que levantou sua voz após meio século de silêncio dos enviados divinos. Sofonias pregou durante o reinado do piedoso Josias, rei de Judá (640-609 a. C.), vinte anos antes da destruição de Jerusalém. Os antepassados de Sofonias eram de origem nobre. Supõem-se que, induzido pelo profeta, o rei iniciou, aos poucos, uma difícil reforma religiosa, cujas bases foram lançadas na época do rei Manassás. Sofonias observava com dor o crescente esmorecimento espiritual do povo e sua adesão às crenças pagãs. O profeta acusava severamente os dirigentes da vida pública (príncipes, juízes e sacerdotes) de serem maus exemplos: «Ai da cidade rebelde, contaminada e opressora! Não obedeceu à sua voz, não aceitou o castigo; não confiou no Senhor; nem se aproximou do seu Deus. Os seus príncipes são leões que rugem no meio dela; os seus juízes são lobos da tarde, que não deixam os ossos para a manhã. Os seus profetas são levianos, homens aleivosos; os seus sacerdotes profanaram o santuário, e fizeram violência à lei. O SENHOR é justo no meio dela; ele não comete iniqüidade; cada manhã traz o seu juízo à luz; nunca falta; mas o perverso não conhece a vergonha» (Sf, 3,1-5)

    Sem duvida, o objetivo destas severas censuras era prevenir das desgraças que ameaçavam o povo judeu. Sofonias predisse o castigo que Deus impetrou aos povos vizinhos, não para aniquilá-los, mas para que voltassem à fé no Deus único: aos moabitas e amonitas, ao leste e ao norte os assírios e ao sul os etíopes. Termina Sofonias seu livro com a descrição dos tempos messiânicos e a regeneração espiritual do mundo. «Naquele tempo então darei uma linguagem pura aos povos, para que todos invoquem o nome do SENHOR, para que o sirvam com um mesmo consenso (sf 3,9). O conteúdo de seu livro se resume neste esquema: Juízo divino sobre Jerusalém (1, 2-3 e 3,1-8); Juízo sobre os povos vizinhos (2,4-15); o Messias e a salvação do mundo ( 3,9-20).

    ResponderExcluir
  6. Depois que o rei Ezequias morreu, o seu filho Manassés, aos doze anos de idade, começou a reinar em Jerusalém. Ao contrário de seu pai, Manassés não agradou ao Senhor no seu reinado, antes fez de tudo para irritar o Senhor e corromper o povo de Judá com idolatria e feitiçarias.

    O rei Manassés tornou-se também um bruxo, pois, conforme faziam as nações que habitavam a terra de Canaã antes dos israelitas, envolveu-se com feitiçarias, adivinhações, encantamentos e agouros.

    Quando os israelitas haviam entrado na terra prometida, o Senhor ordenou-lhes que lançassem fora da terra os cananeus assim como as suas práticas de adivinhações, feitiçarias e até de sacrifícios humanos. Manassés, porém, tanto fez o povo errar, que o levou a fazer coisas até piores do que as nações pagãs que o Senhor ordenou manter distância.

    No reinado de Manassés, a idolatria alastrou-se de tal forma que era como se Deus não existisse mais em Judá. Manassés dedicou-se a reedificar os altares de idolatria que Ezequias seu pai havia destruído, levantou mais altares para o deus Baal, cultuou os astros e, para irritar mais ainda o Senhor, construiu ídolos e altares no próprio templo de Deus.

    Manassés também ficou conhecido na Bíblia como um rei perverso. Além de derramar muitíssimo sangue inocente, ele fez o próprio filho passar pelo fogo, conforme os rituais pagãos de sacrifícios humanos, que eram práticas abominadas e proibidas por Deus.

    Vendo o Senhor Deus que a sua terra e o seu povo estavam cada vez mais contaminados pela idolatria e pelo pecado, começou a avisar, através dos profetas, a Manassés e ao povo para que se arrependessem dos horrores que estavam fazendo. Deus disse-lhes que, se eles não corrigissem os seus caminhos, viria um tão grande mal sobre eles, que aquele que ouvisse falar ficaria com as orelhas em pé.

    Mesmo sendo avisados várias vezes das conseqüências dos caminhos errados que estavam seguindo, Manassés e o povo não deram ouvidos às palavras do Senhor. E, não havendo outro jeito de Judá se concertar dos seus erros, o Senhor entregou Manassés e o povo de Judá nas mãos do exército da Assíria. Manassés foi então levado preso em ganchos e amarrado com cadeias para a Babilônia.

    Com o sofrimento, o rei Manassés tomou consciência do caminho errado que seguiu e se humilhou diante do Senhor. Muito angustiado, ele orou com toda sinceridade ao Senhor e rogou alívio para seu sofrimento. Deus ouviu a oração de Manassés e o trouxe de volta para Judá, devolvendo-lhe o reino. Manassés então reconheceu que o Senhor era Deus e tornou-se um novo homem.

    O rei Manassés tirou da casa do Senhor os ídolos e derrubou todos os altares de idolatria. Para homenagear o Senhor, ele ofereceu não sacrifícios humanos, mas sim sacrifícios de louvor e de paz ao Senhor seu Deus. Agora, como um novo rei, Manassés ordenou ao povo de Judá que servisse e adorasse somente ao Senhor.

    Deus permitiu Manassés passar por um cativeiro porque de um grande sofrimento viria uma grande mudança. Assim, a história do rei Manassés, cujo nome significa “faz esquecer”, é um exemplo de que as pessoas, por piores que tenham sido, ainda assim, podem se concertar e recomeçar uma nova vida para a glória de Deus.

    ResponderExcluir
  7. O rei Manassés foi um rei perverso que fez muitas maldades. Uma das crueldades atribuídas ao rei Manassés foi ter serrado o profeta Isaías ao meio.

    ResponderExcluir
  8. -IMPORTÂNTE TEXTOS -

    Salmos 106:34-46
    II Re 21:1-18 - A história do rei Manassés
    II Cr 33:11-20 - O arrependimento do rei Manassés

    ResponderExcluir
  9. 2 Reis 21:1-18 e 2 Crônicas 33:1-20

    Manassés tinha doze anos quando começou a reinar e reinou durante cinquenta e cinco anos. Embora fosse filho de Ezequias, o rei mais fiel ao SENHOR de todos os que reinaram sobre Judá, ele caiu na idolatria mais perversa de toda aquela praticada pelos cananeus que haviam sido expulsos pelo SENHOR diante dos israelitas.

    Ele tomou a edificar os altos que seu pai havia derribado, levantou altares aos baalins, fez postes-ídolos, edificou altares aos falsos deuses no próprio templo, a quem adorou, queimou seus próprios filhos como sacrifício, fez adivinhações, agouros e feitiçarias e tratou com necromantes e feiticeiros.

    Ele foi também um rei sanguinário, tendo derramado "muitíssimo sangue inocente, até encher Jerusalém de um ao outro extremo".

    Em vista disso, o SENHOR declarou através dos seus profetas que Jerusalém e Judá seriam severamente castigados, como já havia sido o reino do norte. Ele abandonaria de vez o resto do seu povo, entregando-o nas mãos dos seus inimigos por causa da sua infidelidade, que vinha desde a saída do Egito, séculos antes. Este castigo viria mais tarde.

    No que conceme a Manassés, porém, o exército da Assíria veio e levou-o para a Babilônia preso com ganchos e arnarrado com cadeias. Angustiado, ele se arrependeu do seu pecado e clamou ao SENHOR, seu Deus, humilhando-se diante dEle. Mediante isto, Deus atendeu-lhe a súplica e o restaurou ao seu reino em Jerusalém. Manassés então reconheceu que o SENHOR era Deus.

    Durante o resto da sua vida, Manassés fortaleceu o seu reino, tanto militarmente quanto espiritualmente: ele edificou parte do muro de fora de Jerusalém e o levantou muito alto; pôs chefes militares em todas as cidades fortificadas de Judá; tirou os deuses estranhos e o ídolo do templo, também todos os altares que edificara ali e em Jerusalém, e os lançou fora da cidade; restaurou o altar do SENHOR, sacrificou sobre ele ofertas pacíficas e de ações de graças e ordenou a Judá que servisse ao SENHOR, Deus de Israel.

    Contudo, o povo ainda sacrificava nos altos, mas somente ao SENHOR, seu Deus. Quando morreu, foi sepultado no jardim da sua própria casa, o jardim de Uzá.


    R David Jones

    ResponderExcluir
  10. VOCÊ SABIA? A Reforma Protestante foi um movimento reformista cristão iniciado no início do século XVI por Martinho Lutero, quando através da publicação de suas 95 teses, em 31 de outubro de 1517 na porta da Igreja do Castelo de Wittenberg, protestou contra diversos pontos da doutrina da Igreja Católica, propondo uma reforma no catolicismo. Os princípios fundamentais da Reforma Protestante são conhecidos como os Cinco solas. Hoje a Igreja Evangélica Cristo Vive está fazendo a Ultima Reforma Protestante não mais no romanismo mais no seio da tradição evangélica abolindo os sacrifícios e costumes da lei mosaica .

    ResponderExcluir
  11. Welcome to my shop maybe my clothes make you become the most beautiful princess

    ذاوشاح الفن جميلة,وكنتتريدأنيكونله,ويأتيلموقعناعلىالإنترنتخ,

    ResponderExcluir